Prémio António de Macedo – Edição 2020

De forma a promover a ficção especulativa em Portugal na forma de romance em Língua Portuguesa e homenagear um grande nome da nossa literatura e cinematografia, a Editorial Divergência abre as inscrições para a terceira edição do “Prémio António de Macedo”.

Regulamento

1) Apenas podem concorrer textos inéditos, em língua portuguesa, respeitando o Acordo Ortográfico de 1945 e submetidos pelos próprios autores. Por inédito entendem-se textos que não tenham sido anteriormente publicados de forma profissional por terceiros, como um todo ou em parte, em formato físico ou electrónico. Textos anteriormente publicados em formato amador ou de auto-publicação podem ser aceites mediante análise individual.

2) Não podem concorrer autores que tenham sido vencedores das edições anteriores do prémio Divergência, nem do Prémio António de Macedo.

3) Podem concorrer autores residentes em Portugal Continental e Ilhas.

4) Admite-se a candidatura de autores que colaboraram ou colaboram com a Editorial Divergência e as suas chancelas, nos diferentes papéis editoriais que se lhe associam, desde que se garanta o total anonimato, conforme os termos dos números 12 e 16, e não estejam envolvidos em qualquer fase do processo editorial do prémio. Em caso de empate com outro autor que não esteja nas mesmas condições, é escolhida a obra deste segundo.

5) Autores menores de idade podem concorrer desde que autorizados pelo responsável legal. A autorização deverá ser remetida em conjunto com a submissão e o responsável legal estar claramente identificado (nome, morada, idade, endereço electrónico, contacto telefónico).

6) Os textos submetidos deverão ter, pelo menos, 40.000 (quarenta mil) palavras.

7) Cada autor poderá submeter apenas um manuscrito.

8) Todos os textos submetidos deverão estar inseridos no género da ficção especulativa: Terror, Fantasia ou Ficção Científica. A mistura com outros géneros e sub-géneros, de ficção especulativa ou outros, é encorajada.

9) O prazo-limite de entrega por via electrónica nos moldes abaixo indicados é as 23:59 do dia 30 de Junho de 2020, hora de Portugal Continental. Os textos enviados após essa data não serão considerados para efeito do concurso.

10) Os textos devem ser enviados para submissoes@divergencia.pt com o assunto Prémio António de Macedo 2020. Serão aceites textos em formato .doc ou .odt, contendo como no cabeçalho de cada página o título e o sub-género em que se insere. O autor receberá uma mensagem de resposta acusando a boa recepção do texto no prazo máximo de 48 horas após o envio.

11) O manuscrito deverá ser formatado em Times New Roman, justificado (alinhado à esquerda e direita) com o tamanho de 11pt e um espaçamento de 1,5 linhas.

12) O autor deve apresentar os seus dados identificativos (nome, idade, endereço electrónico, contacto telefónico e morada) e o título da respectiva obra no corpo do e-mail remetido e enviar um ficheiro digital da obra, anexo ao mesmo e-mail, em que a primeira página é composta pelo título da obra e a sinopse com o máximo de 200 (duzentas) palavras, reservando as demais páginas à obras propriamente dita.

13) O resultado será tornado público até 15 de Novembro de 2020 através do sítio da Editora. O autor será contactado previamente via correio electrónico.

14) O manuscrito vencedor será publicado pela Editorial Divergência e o autor receberá um prémio monetário de 100 (cem) euros. Os direitos de autor serão pagos à parte.

15) Os critérios para a selecção do vencedor serão parametrizados em termos da envolvência da trama, credibilidade e coerência das personagens e mundos criados, originalidade e fluidez narrativa.

16) O Júri será constituído por cinco elementos, entre personalidades reconhecidas pela experiência no género, editores da Editorial Divergência e/ou vencedores das edições anteriores.

17) Não haverá recurso à decisão do júri.

18) A Editora reserva-se no direito de propor ao autor alterações à obra premiada caso entenda que venham melhor adequá-la à futura publicação. Estas sugestões poderão ser alvo de contra-proposta por parte do autor. Caso não se chegue a bom entendimento de ambas as partes, a Editora reserva-se no direito de dar por anulado o prémio.

19) Sempre que solicitado pela Editora, o autor vencedor deverá colaborar a participar activamente em actividades, eventos e campanhas a realizar com o objectivo de promoção, divulgação e comercialização da obra vencedora, também devendo fornecer fotografias, nota biográfica, bibliografia e outros elementos necessários à divulgação da obra.

20) A Editorial Divergência reserva-se na não atribuição do prémio por falta de qualidade dos manuscritos.

21) Os direitos de autor são de 15% (quinze por cento) do preço de capa da obra em papel e 25% (vinte e cinco por cento) no caso dos livros em formato electrónico. Poderão ser pagos através da oferta de exemplares ou de transferência bancária. O modo de pagamento é escolhido pelo autor. A Editora retém o direito de publicação do manuscrito por um prazo de dois anos a contar da data de publicação.

22) Qualquer situação omissa ou de interpretação dúbia neste regulamento deverá ser apresentada à Editora, sendo decidida pela administração da Editorial Divergência e comunicada no sítio.

23) A apresentação da obra a concurso implica, por parte do autor, que este compreende e aceita todas as alíneas estipuladas no presente regulamento bem como as explicações fornecidas pela Editora de acordo com a alínea 22.

António de Macedo

António de Macedo, nasceu em Lisboa em 1931. Escritor, cineasta e professor universitário, frequentou a Faculdade de Letras da Universidade Clássica e a Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa, onde se formou em Arquitectura em 1958. Exerceu durante alguns anos a profissão de arquitecto que abandonou em 1964 para se dedicar à actividade de cineasta, escritor e professor.
Inclui na sua extensa filmografia dezenas de documentários, programas televisivos e filmes de intervenção sociopolítica, bem como onze longas-metragens de ficção. Paralelamente, especializou-se na investigação e estudo das religiões comparadas, de esoterologia, de história da filosofia e da estética audiovisual, e das formas literárias e fílmicas de speculative fiction, temas que tem abordado em inúmeros colóquios e conferências, e em diversas publicações, quer de ficção, quer de ensaio. Publicou mais de uma dezena e meia de livros, entre romances de ficção fantástica e ensaios temáticos.
Entre 2001 e 2005 dirigiu a colecção literária Bibliotheca Phantastica da antiga Editora Hugin; em Setembro de 2001 foi homenageado pelo 30º Festival Internacional de Cinema da Figueira da Foz, pelo contributo prestado à cultura cinematográfica portuguesa; em Maio de 2007 recebeu o Prémio Consagração de Carreira, da Sociedade Portuguesa de Autores; em 2012 foi homenageado pela Cinemateca Portuguesa com uma retrospectiva da sua obra cinematográfica completa, exibida durante os meses de Junho e Julho; e em Novembro do mesmo ano recebeu o Prémio de Carreira «Sophia 2012», da Academia Portuguesa de Cinema. Em 2013, foi a vez do Fantasporto lhe dedicar uma homenagem com atribuição do troféu Prémio de Carreira, com textos subordinados ao tema «António de Macedo – O Fantástico no Cinema Português», inseridos no catálogo do 33º Festival Internacional de Cinema do Porto — Fantasporto 2013; e em 2014 recebeu o Prémio ADAMASTOR «Personalidade Fantástica 2014», atribuído pelo Colectivo Trëma e pelo Fórum Fantástico. O seu último romance, Lovesenda ou o Enigma das Oito Portas de Cristal foi escolha do ano pelo Fórum Fantástico em 2017. Faleceu a 5 de Outubro de 2017.