Já conheces o Winepunk, um subgénero mais… alcoólico?

E se a História portuguesa tivesse tido um pouco mais de… etanol vínico?

“Em 1919 foi fundada a Monarquia do Norte (facto real e verídico) no meio das convulsões republicanas portuguesas. Neste universo, ela não durou três semanas, mas sim três anos. Três anos extraordinários em que a junção de um passado british e a casta Touriga de uvas do Douro fundiu-se numa realidade Winepunk. Um mundo com energia e tecnologia a partir das caves do vinho do Porto. Um mundo rebelde e com morte anunciada, com fleuma nortenha, linguagem desbragada e ferozmente anti-republicano.”

Esta é a sinopse da obra «Winepunk Ano Um – A Guerra das Pipas», a primeira antologia portuguesa de Winepunk, um dos maiores sucessos da Editorial Divergência. Uma antologia que contou com a colaboração de Joel Puga, Carlos Silva, João Ventura, João Rogaciano, João Barreiros, Rhys Hughes e AMP Rodriguez, alguns dos mais conhecidos autores da ficção especulativa portuguesa. Bons autores + bom vinho… Não admira que seja um êxito😉

“Winepunk did something that I find not only impressive, but extremely important: it made sci-fi out of Portuguese history. If proved that Portuguese history is ripe with good tales that fiction could play around with (even to Portuguese people – not many people know about the three-week Northern Monarchy, especially not in South Portugal). And it proved that Portuguese writers are ingenious and, to be honest, positively chaotic when it comes to reimagining our roots.”

In https://theportugueseportal.wpcomstaging.com/2019/08/19/winepunk-year-one-sci-fi-with-a-good-swig-of-port-wine/ Como queremos dar uma segunda oportunidade aos nossos leitores-escritores… Abrimos o concurso para o «Winepunk Ano 2», cujo prazo de submissão termina a 30 de Novembro de 2020. Por isso, neste universo orgulhosamente tripeiro, de História alternativa vínica, convidamos a participar na segunda edição da antologia Winepunk. Podes consultar o regulamento aqui.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.