Antologia “O Resto é Paisagem” – Os Autores (parte 2)

“Entrai então nas dez portas que vos oferecemos. Uma a uma, como manda o preceito, inspirando fundo, ajustando o xaile e a gola do capote, puxando a boina sobre os olhos, baixando a vista e murmurando a prece escutada ainda em vida pelos lábios dos moribundos – a prece repetida no campo, no antigamente entretanto calcado para o fundo da memória pela patina dos novos tempos –, sem esquecer de entregar à guarda da recepção telemóveis, relógios e brinquedos que perturbassem aqueles que não convém incomodar.” (Luís Filipe Silva -Introdução a “O Resto é Paisagem”)

Apresentamos aqui os restantes cinco autores reunidos na antologia “O Resto é Paisagem”, coordenada por Luís Filipe Silva.

João Ventura

João Ventura foi desde muito cedo um leitor omnívoro, percorrendo no Verão a Biblioteca Municipal de Elvas, de onde é natural, à razão de um livro por dia (incluindo tijolos com 500 páginas). O primeiro choque com o formato conto aconteceu-lhe com “Fuga” de John Steinbeck. Ainda hoje se lembra do sentimento de descoberta!

O primeiro livro de ficção científica que leu foi “O Cérebro de Donovan” (Curt Siodmak, nº 13 da Colecção Argonauta). Um conto de FC que o marcou foi “Flores para Algernon” (Daniel Keyes), incluído no mítico nº 100 da mesma colecção. Chegou ao fantástico pela “Auto-estrada do Sul”, de Júlio Cortázar e visitando “As ruínas circulares” de Jorge Luís Borges. Encontrou Ítalo Calvino na adolescência, no “Atalho dos ninhos de aranha”, perdeu-o depois e reencontrou-o muito mais tarde em “As cidades invisíveis” e noutros livros. Continua devoto desta Fantástica Trindade. Atribui a responsabilidade pelo contágio do vírus da escrita à Dra. Odete Taborda, sua professora de português no secundário, cujos TPCs incluíam sempre uma composição (mínimo 8 linhas) sobre um assunto qualquer de que ela se lembrava ao tocar da campainha. Cinco por semana durante um ano lectivo! Cada cura tem sido (felizmente) sempre seguida de uma recaída.

Não acredita em horóscopos.

João Ventura gosta de escrever microcontos, mas às vezes saem-lhe estórias um pouco maiores… O que tem escrito está na Web e em algumas antologias… O seu terreno preferido é a área do fantástico, mas não se preocupa muito com rótulos.

Publicado pela Editorial Divergência:

  • A Lista de Deus – Na Sombra das Palavras
  • Tudo Isto Existe (lançamento em Outubro de 2018)

http://fromwords.blogspot.com

Inês Montenegro

Inês Montenegro escreve sobretudo Fantasia. Tem contos publicados em antologias e fanzines, tanto portuguesas quanto brasileiras. Trabalha também como revisora, e mantém um blog de opiniões literárias.

Licenciou-se em Línguas, Literaturas e Culturas: Português/Inglês, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e encontra-se actualmente a frequentar mestrado de Edição de Texto pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas de Lisboa.

Blog da autora https://booktalesblog.wordpress.com/

Carlos Alberto Espergueiro

Carlos Alberto Espergueiro, nasceu em Vimioso em 1976, é licenciado em Estudos Portugueses pela UTAD, freelancer, reside actualmente na Suiça. Tem contos publicados nos Almanaques Steampunk e nas antologias Fénix e Ficções Phantasticas.

 

Ricardo Correia

Ricardo Correia nasceu em 1985, em Lisboa. É pai de dois rapazes maravilhosos, Designer de Comunicação, Professor de Ilustração, crítico de videojogos e argumentista, e está prestes a embarcar no Doutoramento em Ciências e Tecnologias de Informação.

A Ficção Científica e a Fantasia fizeram parte da sua vivência desde tenra idade: o avô, ávido consumidor de literatura Fantástica habituou-o a viagens pela imaginação visualmente auxiliadas por BD, séries e filmes de culto, rodeando o seu crescimento até aos dias de hoje com uma aura de fantasia. Há quem diga que habita grande parte dos seus dias noutras dimensões, desligado da realidade normalizada do quotidiano, tendo como banda sonora dezenas de bandas de Rock progressivo.

http://rubberchickengames.com/

https://observador.pt/seccao/cultura/jogos/videojogos-jogos/rubber-chicken/

Raquel da Cal

Raquel da Cal, desde cedo uma leitora apaixonada de Fantasia, começou a escrever há pouco mais de 8 anos, quando se mudou para as terras de sua majestade. Publicou pouco mais que uma mão cheia de contos fanzines, revistas e projectos independentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.